Vitorioso

Com 79 anos ele se apresentou ao hospital como quem cumpre deveres cívicos. Cambaleando, entregou a carteirinha, assinou o termo e foi encaminhado, na cadeira de rodas, ao quarto coletivo que, por sorte, ainda estava vazio. Sob a supervisão da  enfermeira, retirou sapatos e meias e despiu-se das calças, camisa sem bolso e cueca, vestindo…

Eterno retorno

Tudo que podia ser dito já o foi. Não há experiência nova: todas elas foram vividas no passado, no presente e no futuro, este velho conhecido. Elas transitam rapidamente pelos inúmeros veículos criados ou a se criar, entrecruzando-se nas estações concretas ou neuronais até se diluírem no tédio premeditado das notícias requentadas. Certa vez ouvi…

Diretrizes para o exercício consciente, mas antipático, da inteligência

Começo pelo antipático, pois é muito difícil ser simpático sendo inteligente. Então é pegar ou largar, e se valer a sugestão, largue e não exercite. É que um dos exercícios para refinar essa faculdade consiste em esgotar os pensamentos até que eles se revelem corretos ou incorretos. E isso só é possível pondo cada um…

Promoção – meus livros baratinhos

Aproveitei a licença da Amazon e ofereci meus dois romances publicados pela Kindle gratuitamente entre os dias 08 e 12 de agosto. São eles: Quase Negros (3a. edição) e Felicidade, substantivo feminino. Centenas de leitores baixaram os livros e agradeço a cada um deles, pois agrada ao escritor, antes de tudo, ser lido. Críticas são super bem-vindas.…

Mexeriqueira

Vovô Felício ensinou muita coisa boa e uma delas virou lição. Faz tempo e o mundo parecia simples, mas na verdade não era, vivíamos na escuridão. Não sei a data, mas me lembro da década, de 1970, e eu tinha seis ou sete anos, quando muito uns nove. Acho que era de manhã, provavelmente de…

Noite fria

Ela acabou se acostumando com a vida ao relento literal, isto é, em andrajos de dia e com pouco cobertor à noite, uma sina nada perfumada, a não ser com o cheiro azedo, mistura de fuligem, poeira e suor com o agravante do chorume das latas de lixo, de onde pesca restos de alimentos desprezados…

Homem máquina

Por Vanessa Beatriz Bortulucce As pernas desempenham bem o movimento do caminhar, milimétricas e sem emoção como aulas de química. Este olhar que deixa as pétalas caírem depois de cinco dias sem trocar a água dos vasos. Os dedos que já colocaram os teus sabores na boca tremendo, estendem a roupa e alisam as notícias…

Sem destino, de Karina Dias

Conheci Eliana Natividade em 2009, fui seu professor no curso de jornalismo em São Paulo. Um dia, no final do ano letivo, ela me presenteou com um de seus romances, Aquele dia junto ao mar (Editora Malagueta), assinado com o pseudônimo Karina Dias. Foi a primeira obra de ficção LGBT que me caiu nas mãos. Li com…

Zen

Toda vez que olhava o céu, o impulso era de pintá-lo com cores eternas. No faz-de-conta das cantigas de ninar havia sempre um final feliz imune ao tempo, uma espécie de paisagem celestial que de tão futura, imobilizava suas raízes na chocha realidade infernal. Ainda não sabia, pobrezinho, que céu não se pinta; nuvens tem…