O fim das tristezas 

Acabou o tempo das grandes tristezas, da alma remexida, das confusões intestinas e do intrépido impulso por libertação. Sem alvoroço, o progresso nos presenteou com pílulas para tudo, principalmente para não pensar. Entregamos os pontos, há especialistas para todos os tipos de males. Despender energia para quê se os receituários respondem à demanda por risadas prontas? …

Eterno retorno

Tudo que podia ser dito já o foi. Não há experiência nova: todas elas foram vividas no passado, no presente e no futuro, este velho conhecido. Elas transitam rapidamente pelos inúmeros veículos criados ou a se criar, entrecruzando-se nas estações concretas ou neuronais até se diluírem no tédio premeditado das notícias requentadas. Certa vez ouvi…

Ensino e indústria

Em minha modesta opinião, aulas não deveriam ser dadas em série, uma após a outra até o esgotamento da energia de professores e alunos. Sei bem o que é isso: muito antes de começar a lecionar, trabalhei como operário na linha de montagem industrial. Nela eu não tinha tempo de pensar, refletir, imaginar ou criar.…

Jeitinho brasileiro?

Com a novela dos escândalos políticos, convencionou-se dizer que o povo brasileiro participa da cultura da desonestidade; que os casos envolvendo lideranças governamentais e empresários são apenas a ponta do iceberg, uma vez que todos nós somos coirmãos na prática do “jeitinho”. Leio artigos e vejo vídeos de intelectuais famosos encantando suas plateias com lindas…

Diretrizes para o exercício consciente, mas antipático, da inteligência

Começo pelo antipático, pois é muito difícil ser simpático sendo inteligente. Então é pegar ou largar, e se valer a sugestão, largue e não exercite. É que um dos exercícios para refinar essa faculdade consiste em esgotar os pensamentos até que eles se revelem corretos ou incorretos. E isso só é possível pondo cada um…

Pais e filhos

Não há nada de mais em ser pai, menos ainda em ser filho. A vida prolifera por todos os lados, é uma bênção. Não disse parabéns ao meu pai e agradeci meio sem jeito aos cumprimentos de amigos queridos, mas não pensem que eu seja ressentido. Dentre meus inúmeros defeitos, o pior deles é sempre…

Zen

Toda vez que olhava o céu, o impulso era de pintá-lo com cores eternas. No faz-de-conta das cantigas de ninar havia sempre um final feliz imune ao tempo, uma espécie de paisagem celestial que de tão futura, imobilizava suas raízes na chocha realidade infernal. Ainda não sabia, pobrezinho, que céu não se pinta; nuvens tem…