Resenha de meu romance “Quase negros”

Há dubiedade em mim. Sento na sala desfeita com baixa luminosidade e sinto o vento que sopra em meu rosto. Por um momento, paro de escrever e ouço o cachorro uivando na rua. O céu da cidade é muito iluminado. Tão bem iluminado e carregado de nuvens que, dentre os tons rosados da poluição, vê-se […] … Continue lendo Resenha de meu romance “Quase negros”

Sem destino, de Karina Dias

Conheci Eliana Natividade em 2009, fui seu professor no curso de jornalismo em São Paulo. Um dia, no final do ano letivo, ela me presenteou com um de seus romances, Aquele dia junto ao mar (Editora Malagueta), assinado com o pseudônimo Karina Dias. Foi a primeira obra de ficção LGBT que me caiu nas mãos. Li com … Continue lendo Sem destino, de Karina Dias

A felicidade existe?

A felicidade é feminina, masculina ou não tem gênero? Aliás, ela realmente existe ou a palavra felicidade foi criada para se referir a uma ilusão? Foram escritas muitas obras que falam da felicidade: livros de autoajuda, filosofia, política, religião.  No mundo do sucesso a qualquer preço, mais do que refletir a respeito, a busca da … Continue lendo A felicidade existe?

Heloísa e Abelardo

Imagine uma quentíssima história de amor entre um professor maduro e sua aluna de dezessete anos. Até aí tudo bem? Vamos dizer então que o resultado dessa paixão proibida foi o nascimento de um filho, tudo às escondidas. E que o tutor da garota, ao saber da história, mandou capangas castrarem o professor. Parece ficção, … Continue lendo Heloísa e Abelardo

Baudelaire, o albatroz

Li O albatroz, de Charles Baudelaire, pouco antes de ingressar no Departamento de Letras da USP, em 1988 (três anos depois acabei optando por História, mas as Letras jamais saíram de meu coração). Não sou poeta, mas ao reeditar meu primeiro romance, Quase Negros, para publicação futura em e-book, meus olhos se desviaram da tela do … Continue lendo Baudelaire, o albatroz