Sonhos e cervejas

Eu gostaria de tomar uma cerveja com o jovem desconhecido que fez boca de urna comigo nas eleições de 1989. Não me lembro de seu nome. Sei que era estudante da PUC da Rua Monte Alegre, se não me engano de Sociais ou Geografia. Estávamos na esquina da Angélica com a Barros, um dos enclaves…

Entre o puteiro e o povo

Que cada um acredite no que quiser! O dono do Bahamas parece acreditar no poder do meretrício e festejou a prisão de Lula humilhando uma mulher sob os aplausos de bêbados. Acreditar, neste caso, não é causa - trata-se de business. Aplaudir, idem. Foto: Reprodução/ Túlio Vidal O povo que tentou evitar a prisão do ex-presidente…

A gema do ovo

Quando o desejo de perseguir e de maltratar gera satisfação coletiva e justificativas morais, já se instalou a psicopatia social. Quando esse desejo é compartilhado e estimulado pelos formadores de opinião, a perseguição e a violência ganham farda, emblema e hino. Quem ousaria dizer que não conhece o resto da história?

“Je suis Cajazeiras”, de Sônia Menezes

Sônia Meneses Professora da Universidade Regional do Cariri 30/01/2018 No dia 7 de janeiro de 2015, dois atiradores, Saïd e Chérif Kouachi, mataram 12 pessoas em Paris, incluindo parte da equipe do jornal Charlie Hebdo. Aquele atentado foi considerado um dos piores que Paris havia presenciado e, imediatamente, uma gigantesca comoção mundial se fez. O clamor,…

O fim das tristezas 

Acabou o tempo das grandes tristezas, da alma remexida, das confusões intestinas e do intrépido impulso por libertação. Sem alvoroço, o progresso nos presenteou com pílulas para tudo, principalmente para não pensar. Entregamos os pontos, há especialistas para todos os tipos de males. Despender energia para quê se os receituários respondem à demanda por risadas prontas? …

Vitorioso

Com 79 anos ele se apresentou ao hospital como quem cumpre deveres cívicos. Cambaleando, entregou a carteirinha, assinou o termo e foi encaminhado, na cadeira de rodas, ao quarto coletivo que, por sorte, ainda estava vazio. Sob a supervisão da  enfermeira, retirou sapatos e meias e despiu-se das calças, camisa sem bolso e cueca, vestindo…

Eterno retorno

Tudo que podia ser dito já o foi. Não há experiência nova: todas elas foram vividas no passado, no presente e no futuro, este velho conhecido. Elas transitam rapidamente pelos inúmeros veículos criados ou a se criar, entrecruzando-se nas estações concretas ou neuronais até se diluírem no tédio premeditado das notícias requentadas. Certa vez ouvi…